terça-feira, 22 de julho de 2014

Um pequeno brinde em forma de devaneio...

UMA GOTA DE POESIA

“... Nunca morrer assim, nunca morrer num dia assim, de um sol assim...”

Por que iniciar um texto sobre estudos intersemióticos citando Olavo Bilac? Não sei. Talvez o autor das pretensiosas garatujas que estão por vir esteja se sentindo triste. Uma tristeza hiperbólica. Ao ver o céu azul pela janela do solitário cômodo em que escreve, deu-se conta da metafórica solidão em que vive, traduzindo-a na parnasiana vontade de morrer.

“... E assim a esfera, toda azul no esplendor do fim da primavera...”

Olavo Bilac insiste em visitar a mente do autor, talvez perturbada por lembranças das pessoas amadas que se foram, algumas levadas pela morte, outras carregadas pela própria vida... Morte e Vida Severina... Outros poetas pedem licença para visitar a mente do autor, brindando com Bilac sobre os escombros das memórias angustiadas que habitam o lugar.

Como é possível esses poetas, que agora habitam apenas o mundo etéreo da Arte, entrarem na mente de uma pessoa? Como é possível olhar o sol e compará-lo ao calor do amor perdido? Como é possível sentir a angústia da morte ainda em vida? Como são possíveis as relações simbólicas entre a esfera e o planeta, entre a alegria e o esplendor do fim da primavera? Como é possível haver uma festa, com direito a brinde, em um espaço apertado como a mente? E como um espaço tão apertado pode ser tão amplo?

Essas e outras questões, algumas de importância questionável, podem ser respondidas toda vez que refletimos sobre a grande aventura humana. Esse ser que se considera divino, algumas vezes destrutivo e arrogantemente divino, nasceu com um impulso único: representar simbolicamente a sua experiência de vida. Representar para si mesmo, com o intuito de compreender e controlar melhor essas experiências. Representar para o outro, a fim de compartilhar e, às vezes, usar essas experiências como instrumento de domínio sobre o outro. Esse impulso de representação simbólica acabou por ser a origem de todos os sistemas de comunicação entre os seres humanos. Os sistemas foram, no decorrer do tempo (aliás, muito tempo), evoluindo em todas as suas características, atingindo a complexa forma dos ícones linguísticos, ápice da capacidade de abstração que esse impulso de representação deu ao ser humano. Podemos conversar sobre nossas alegrias e tristezas, podemos fazer declarações de amor, podemos escrever poemas sobre o sol e a morte. Podemos até analisar esses poemas e utilizá-los, correta ou equivocadamente, em trabalhos acadêmicos. Tudo isso porque esses ícones compõem um sistema maravilhoso chamado Língua (a linguagem verbal estruturada). Essa linguagem verbal estruturada deu um impulso notável na evolução da humanidade, aproximando as pessoas, mas também trouxe uma série de problemas, como a ruptura bruta e catastrófica do homem com a Natureza. Mas isso são pedras no meio do caminho que não podem ser discutidas agora... Bem vindo à festa, Carlos Drummond de Andrade!

A linguagem verbal estruturada, apesar de toda a sua riqueza, não pode ser tomada como um sistema isolado. A representação simbólica do fenômeno da morte só é possível porque esse fenômeno chega às pessoas, seja através da experiência direta, seja através da analogia, seja através da tradição. Falar e escrever sobre a morte é o estágio de abstração mais avançado de representação dessa experiência. No entanto, ele só é possível porque existem outros estágios de abstração que não podem ser esquecidos. As relações imagéticas, sonoras, gestuais e tantas outras que fazem parte da experiência expressiva do homem não podem ser desprezadas. Caso contrário, essa linguagem verbal estruturada, tão rica, acaba por cair na pobreza da falta de conteúdo essencial, produzindo um discurso vazio, infelizmente muito comum na comunicação atual.

Conversar é muito bom! Escrever versos é fantástico! Porém, ninguém pode esquecer o calor do sol e a sensação de conforto que ele traz, aumentando a circulação sanguínea e a temperatura corporal. Ninguém pode esquecer o cheiro da primavera e o frenesi que ele carrega, causando arrepios de prazer. Ninguém pode esquecer a bola dos brinquedos da infância, que dá a noção da esfera e ajuda na compreensão da forma do planeta. Ninguém pode esquecer as experiências, as imagens criadas a partir delas, os sons e os gestos da Natureza. Só assim a experiência de todas as linguagens será rica e bela como deve ser.

“... Que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure...”

Um brinde, Vinícius de Moraes.

Roman Lopes

Comunicado importante

Queremos dizer aos nossos amigos e, principalmente, aos poetas participantes que, infelizmente, por motivos de força maior, teremos que adiar por alguns dias a publicação da revista e a enquete...

Conforme já foi dito antes, o número de poesias superou em muito as nossas expectativas, o que nos deixa extremamente felizes... No entanto, a carga de trabalho acabou ficando muito maior do que prevíamos... A grande variedade e qualidade dos poemas exige de nós muito cuidado na escolha e, por isso, precisaremos de mais tempo...

As novas datas são as seguintes:

26/07 – Publicação da revista e abertura da enquete.

27/07 a 06/08 – Enquete

As demais datas permanecem as mesmas...

Estamos nos esforçando ao máximo para que o nosso trabalho possa representar a qualidade dos poemas enviados...

Pedimos desculpas por esse transtorno e pedimos também um pouco mais de paciência a todos...

Obrigado pela compreensão!

Trupe Reticências

sábado, 5 de julho de 2014

Inscrições encerradas... Um sucesso enorme!

Estamos informando a todos que as inscrições do nosso II SARAU POÉTICO VIRTUAL “RETICÊNCIAS EM VERSOS” foram encerradas...

Recebemos 313 trabalhos, quase o dobro da edição passada, escritos por 126 poetas de quase todos os estados do país e também de outros 3 países, Portugal, Moçambique e Japão...

Ficamos muito felizes com o resultado, não só quantitativo, mas também com a qualidade dos poemas enviados, mostra de que a Poesia está mais viva do que nunca... Por isso decidimos que ao invés de 20 poemas para a revista, escolheremos 30 poemas...

Em virtude da grande quantidade de trabalhos recebidos, não divulgaremos o resultado da seleção para a revista no dia 14/07, conforme consta no edital. Publicaremos a revista virtual com os 30 poemas escolhidos e a enquete no dia 21/07...

Agradecemos a todos os poetas que nos deram a honra de conhecer os seus trabalhos...

Abaixo uma lista com todos os poetas que estão participando:

REGIÃO SUL

RIO GRANDE DO SUL

Angélica Fabiane Weise – Santa Cruz do Sul
Leandro Barenho Ottesen – Rio Grande
Cristiano Correa Vieira – Rio Grande
Flávia Rita Calção de Freitas – Rio Grande
Lucas Winck Esteves – Porto Alegre
Zenaide Alós Guimarães Abati – Porto Alegre
Fernanda Mellvee – Porto Alegre
Mateus Silva de Araújo – Montenegro
Jussara Custódia Godinho – Caxias do Sul
Uillian Leonardo Peiche – Alegrete
Reisson Ronsoni dos Reis – Gravataí
Mara Rejane Farias Garin – Cachoeira do Sul

PARANÁ

Mário Lourenço Evangelista Júnior – Londrina
Clodoaldo Salustiano de Moraes – Londrina
Walisson Januário Godoi – Londrina
Sebastião Bonifácio Junior – Londrina
Leonilda Yvonneti Spina – Londrina
Joana Mieres Valente – Paranaguá

SANTA CATARINA

Ana Paula de Oliveira – Chapecó

REGIÃO SUDESTE

SÃO PAULO

Eduardo Lima Alves – São Vicente
Diego de Souza Santana – São José dos Campos
Marcos Rogério Nieves – São Paulo
Alex Oliveira Gomes Soares – São Paulo
Roberto Fabrício – São Paulo
Renata Paccola – São Paulo
Gabriel Sinoble Trigueiro de Sousa – São Paulo
Leandro Andreo Rodrigues – São Paulo
João Luiz Borogan Cerqueira – São Paulo
José Nunes Pereira – Marília
Rosana Griloni – Mococa
Ubiratan Moreno Soares – Santos
Paulo Franco – Ribeirão Pires
Geraldo Trombin – Americana
Luanda Gomes dos Santos Julião – Atibaia
Carlos Vitor dos Santos Mailart – Lorena
Ubirajara Vieira Xavier – Tremembé
Felippe Cassiano Oliveira – Valinhos
Perpétua Amorim – Franca
Flávio Antunes Soares – Mauá
Makim Mangine – Campinas
Antônio Rogério Cazzali – Santo André
André Foltran – São José do Rio Preto
Sergio Eduardo Del Corso – Indaiatuba
Emanuel Ângelo Nascimento – Osasco
Jailton Silva Matos – Monte Mór
João Victor Vitoriano Firmo – Diadema
Lígia Maria Teixeira – São Carlos

MINAS GERAIS

Bruno Nominato de Oliveira – Belo Horizonte
Maíra Barbosa Santos – Belo Horizonte
Fábio Ferreira de Souza Junior – Belo Horizonte
Renan Caíque Silva – Teófilo Otoni
Cyrlene Rita dos Santos – Januária
Francisco Petrônio Ferreira de Oliveira – Conceição do Mato Dentro
Warley Matias de Souza – Sete Lagoas
Péricles Alves de Oliveira – Bom Despacho
Sandra Lucia Modesto – Ituiutaba
Levindo Último – Contagem

RIO DE JANEIRO

Yure Freire Aurore Romão – Rio de Janeiro
Bárbara Soares PInheiro Souza – Rio de Janeiro
Carlos Henrique do Nascimento Barros – Rio de Janeiro
Darcy Ribeiro da Cruz – Rio de Janeiro
Ítalo de Paula Casemiro – Rio de Janeiro
Júlio Paredes Teixeira – Rio de Janeiro
Rodrigo Lychowski – Rio de Janeiro
João Pedro Maciel Schlaepfer – Rio de Janeiro
Eduardo Soares Jorge – Rio de Janeiro
Alberto José de Araújo – Rio de Janeiro
José Augusto Oliveira Huguenin – Volta Redonda
Jober Rocha – Niterói
Diego Jesus Dias Santos – Niterói
Bárbara Coutinho Ornellas – Niterói
Carlos Brunno Silva Barbosa – Valença

ESPÍRITO SANTO

Ilda de Freitas – Anchieta
André Luís Soares – Guarapari

REGIÃO CENTRO-OESTE

GOIÁS

Eduardo Cruvinel de Castro – Goiânia
Robison José da Silva – Morrinhos
Gleidston César Rodrigues Dias – Goiatuba

DISTRITO FEDERAL

Jhonathan de França da Silva – Brasília
Giovanna Carla Silva de Oliveira – Brasília
Giordana Maria Bonifácio Medeiros – Brasília

MATO GROSSO DO SUL

Denyeire Loubet de Barros – Campo Grande

MATO GROSSO

Maria Ligia Caviglioni – Várzea Grande
Sílvio Cesar Masquietto – Barra dos Garças

REGIÃO NORTE

PARÁ

Amarildo Ferreira Júnior – Belém
Aléssio Moreira Lima Dantas – Santarém

ACRE

Sérgio da Silva Santos – Rio Branco

RORAIMA

Aldenor da Silva Pimentel – Boa Vista

AMAZONAS

Kesianne Suelen Barbosa Ferreira – Manaus
Bianka da Silva Façanha – Manaus

TOCANTINS

Patrícia Oliveira Vera – Palmas

REGIÃO NORDESTE

CEARÁ

Caio Girão Rodrigues – Fortaleza
Rosany Angela Fernandes Vieira Kucmanski – Fortaleza
André Reis Coelho – Fortaleza
Jair Paulino de Sales – Crato
Nijair Araújo Pinto – Crato
Marta Rosaria de Sousa – Maracanaú
Sílvia Maria Barbosa Gadelha – Caucaia

BAHIA

Marcelo Moreira – Salvador
Ione Carla – Salvador
Viviane Silva dos Santos – Santo Antônio de Jesus
Robinson Silva Alves – Coaraci
Giulian Lin Mascarenhas Souza – Feira de Santana

ALAGOAS

José Eugênio Borges de Almeida – Maragogi
Luiz Alberto dos Santos – Coruripe
Genuzi de Lima – Palmeira dos Índios

PARAÍBA

Paulo Victor Alves da Silva – João Pessoa
Roberta Keylla da Siva Melo – Mataraca

MARANHÃO

Samara Laís Silva – Arari
Antônio Fernando Sodré Junior – São Luís
Euler Nicolau Sauaia Filho – São Luís

PIAUÍ

Carlos Nathan Sousa Soares – São Gonçalo do Piauí

RIO GRANDE DO NORTE

Hosana Cristina da Rocha – Nísia Floresta
Shauara David – Parnamirim

PERNAMBUCO

Gabriel Melo Amorim – Recife
Jefferson William Moraes de Sousa – Olinda
Ana Maria da Silva – Passira
Carlos Alberto de Assis Cavalcanti – Arcoverde

OUTROS PAÍSES

PORTUGAL

José Carlos S. de Almeida – Lisboa
Maria João Pessoa Nunes – Lisboa
Luciano Antunes Barata Reis – Lisboa
Timóteo Miguel Fernandes Pernas – Algarve
João Alberto Fernandes Roque – Gafanha da Nazaré
Ana Cristina da Silva Franco Wiesenberger – Setúbal
Miguel Ângelo Alves dos Santos – Almada

MOÇAMBIQUE

Sanjo Muchanga – Maputo

JAPÃO

Edweine Loureiro da Silva – Saitama